Naveguem por este mundo sem validade!

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Receitas pouco calóricas para quem tem pouco tempo para cozinhar...

Nãaa...Estava a brincar!....Acham?!
Escrevi este título porque me disseram que as receitas de culinária nos blogues são cenas fixes e com muita procura! (pode ser que assim apareça no Google!)
Nop. Não tenho mesmo nada, nada a ver com este senhor.
Na verdade, para mim cozinhar é um verbo do demo...Primeiro porque não tenho jeito, depois não gosto (não percebo como pode relaxar alguém, mas respeito!)...e por último, as cenas não me costumam correr muito bem. Falta sempre um ingrediente.
Quando há jantares para mais de 4 pessoas, é o pânico!..
Normalmente, mando vir para não correr riscos. Mas nem sempre mandar vir a comida é sinónimo de uma boa experiência...Vamos lá então situar...
Devia ter lido, mas não li.
Estávamos numa noite quente de Agosto. Aguardávamos amigos para jantar. Ementa: bacalhau com natas. O que poderia correr mal? 
Quando algo acontece de mau...eu digo que a culpa é do M.C.!
Os convidados chegaram. Eram quatro. Metade vinha com uma intoxicação alimentar (do dia anterior, não tinha sido culpa minha), a outra metade vinha a cuidar da primeira metade (confuso?!). Entretanto, eu e o M.C. (ainda sem V. e C.) comíamos sozinhos, numa mesa para seis, na nossa própria casa. Deprimente, no mínimo.
Aqui o Abel também anda deprimido.
Os convidados entravam e saíam da WC, até que três deles decidiram voltar ao hospital. Nós ficamos com um dos saudáveis. Ainda não tínhamos filhos, por isso, não sabíamos se estávamos à altura do desafio. Mesmo assim...levamos o pequeno a uma festa popular. Ele pediu para levar a sua playstation, mas nós achámos que não era didático (onde estávamos com a cabeça?!). Chegámos. Toda a malta reunida à volta de uma grade de minis (não era bem este o cenário que o miúdo devia estar à espera...mas nós éramos crentes! só assim se explica...). 
"Os meninos à volta da fogueira.."
Passados 5 minutos, o miúdo pediu para ir embora (compreensível). Viemos em silêncio no carro, atónitos (def. assombrados por um raio - tal e qual isto) e transtornados, pois não queríamos acreditar no que estava a acontecer, precisamente, num sábado à noite. 
No dia seguinte, soubemos que não se tratava de uma intoxicação, mas sim de uma virose. Contagiosa por sinal.
E... tivemos a nossa experiência.
E o M.C. também!



2 comentários: