Naveguem por este mundo sem validade!

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Imaginação fértil!

Este ano faço 38 anos. Não consigo mudar a minha descrição deste blog (ajuda precisa-se) que teima em dizer que tenho 34 anos (porra, que é burro!). Estou numa fase de adormecer todos os dias no sofá às 21h30 a ver filmes românticos da série B [não acredito que haja pior que isso]. Acordo e/ou acordam-me muito cedo e, à conta disso, ando a beber mais café para me manter decente. Ontem, levei uns imponentes saltos altos para o trabalho [dia de reuniões, portanto não ando a "rebolar" no chão com os meus mestres] que fizeram um sucesso do caraças, assim como o meu mini vestido. Um dos mestres lá da escola depois de um prolongado piropo [e de ter assistido a um  agachamento discreto], acrescentou:
- Eu vi-te o cu.
[Na realidade, viu apenas collant preto].

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Sou uma vendida.

Quando criei este meu espaço, criei um espécie de irmão bastardo (facebook) onde, fui ao longo do tempo, partilhando as aventuras que por aqui ia vivendo. Depois da plácida morte do meu velhinho computador portátil, tornou-se mais cómodo e imediato registar as minhas memórias por lá. Hoje, vim aqui. Já não o fazia há mais de um ano. Tinha-me esquecido do como era bom escrever aqui.
Os meus filhos estão maiores  [o mais velho já tem 7 anos e a mais nova 4] e soube-me pela vida ler as minhas aventuras quando eram mais novos. 
Parece-me que estou em jeito de regresso.
A ver vamos!
P.s. A minha tendência crónica de deixar passar a validade dos iogurtes mantém-se.
Eu sei que isto nada tem a ver com o post, mas queria garantir que o meu regresso não passava despercebido! :)

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Até um dia.

Não sabia quando voltaria aqui. Não defini prazo. Assumi que este lugar qualquer dia teria um fim. No fundo, achava que o fim já estava a acontecer. Mas afinal não. Não hoje.
Hoje é um dia triste. Hoje uma das minhas mestres foi para longe e para sempre. Foi para longe e para sempre. Não houve despedida. Tinha estranhado a sua ausência na escola, mas não imaginava o que ela estaria a viver. Estive ausente uma semana (doente) do trabalho. E as coisas acontecem.
A ti, minha donzela da dança...a ti...minha eterna mestre da verdade...
Até um dia Magda.
Até um dia.


terça-feira, 4 de julho de 2017

Eu, sem filtro.

Eu sei que por aí deambulo. No aí de agora. Jogo às cartas e aguardo o meu momento. Sei que me impressiono com pouco. Sou uma má jogadora. Conto com a derrota, mas mesmo assim aguardo ali, no ali do “por enquanto”. “Por enquanto” pode ser muito tempo. Resolvo então acreditar, por enquanto. Assim, sem nada pedir, pode ser que chova. Chova daquela chuva que se gosta. Chuva que me dissolve o mal que tanto luto por destruir. Sei que no sim e no não, vive a minha incerteza. Está resguardada do tudo e do nada. É imaculada aos meus olhos. Não me quero desnudar em devaneios. Quero perder a cabeça na altura certa entre o cinismo das preposições e o inevitável da vida.

Eu, sem filtro.


sexta-feira, 16 de junho de 2017

Os sonhos nascem e morrem depressa.

Estou a deixar morrer este meu refúgio (eu sei e ainda assisto lentamente à sua morte). Os sonhos não me curtem. Tenho em mim, que se organizaram para me provar que sonhar é cena só para os descrentes. Os sonhos nascem e morrem depressa.
Merda.
Não me parece.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Novidades!

Tenho um novo elemento na familia: a Xica, uma gata bebé. O marido não foi muito a favor da vinda da bicha. Mas fomos 3 contra 1. Os meus filhos não me falharam. A equipa da mamã venceu. O papá M.C. ficou encantado com ela até ontem...quando na sua hora de almoço teve de assistir a um festival de cocó. O moço teve (imagino eu...) um ataque de nervos. Limpou as patas fedorentas da gatinha com toalhitas de olhos e ouvidos para animais (desenrascou-se!). Pior, foi ter levado umas arranhadelas. [Ainda estou a pensar numa forma de dar a volta a este assunto numa de: "se calhar tu até tiveste a culpa". Logo se vê...]
Ah. O Salvador ganhou a Eurovisão e eu realizei um sonho de criança [já não se lembravam pois não?]. O Benfica foi campeão e o meu primogénito consolidou e assumiu efetivamente a mudança de clube (já falava na história de já não ser do Sporting há uns dois meses...). O papá M.C. está num turbilhão de sentimentos [coitado]. O Papa esteve perto da minha terra. Mas eu não fui vê-lo [sou um ser desprezível]. Gosto e admiro o senhor. É um bacana.
Posto isto, sexta-feira é dia de teatro com os meus mestres. A Gaveta, no Entrocamento. Quem por aqui passar, está convidado a assistir. 
Até já.
Os meus mestres, esta sexta-feira, dia 19 de Maio, no Centro Cultural do Entroncamento.