Naveguem por este mundo sem validade!

quinta-feira, 5 de março de 2015

151 dias de ti...

151 dias de ti.
Quando soube que te esperava, achava que sabia tão bem a lição....ainda por cima, grávida pela segunda vez...o que é que eu ainda não sabia? 

Pernas inchadas, enjoo, mau-estar...tudo fazia parte da bagagem lexical do meu primogénito V.. Sentia-me confiante. Costumava dizer a quem não conhecia: "grávida do segundo filho", para provar ao mundo que eu sabia o que estava a fazer, que estava segura e que nada me poderia fazer perder o foco. Mas vieste provar-me o contrário. Provar-me que nada é adquirido e que nem por um instante, poderias ser esquecida e, por isso, vivemos uma história tão diferente e intensa, tão autêntica e cheia de poder e energia. 

9 meses de ti, num misto de emoções de amor, angústia e medo. Que ânsia eu vivi para te conhecer!...Queria olhar para ti e cobrar-te os recados que foste mandando,  malandreca! 
Puseste-me à prova, sem saberes. Mas mostraste-me um "eu" que não conhecia. Um novo"eu" que não sabia que era capaz de se adaptar e resistir ao imprevisto, ao sobressalto do desconhecido...à simples frase: "está tudo bem, mas...". 

Prescindi de consultas em livros,  consultas na Internet, ou mesmo de conversas e partilhas com amigas e deixei-me ir...deixei que me guiasses até ao fim, mesmo sabendo que o medo, por vezes, me petrificava as emoções e me bloqueava. E, por fim, vieste. Cheia de amabilidade e calor...simplesmente, a respirar. 

No primeiro encontro com o teu irmão, senti borboletas no estômago, fazendo-me lembrar o dia em que conheci o teu pai. Presenciei a transformação de um olhar em amor puro, sem reservas ou indefinições. Que  amor grandioso e poderoso.  

Com 10 dias, soube o que é sentir pânico, impotência e medo paralisante. Biologicamente determinada para apenas olhar enquanto dormias, eis que o universo me virou o mundo ao contrário. No meu colo, dormias tranquilamente, enquanto todo o meu corpo hipervigilante se detinha dos fios que te acompanhavam, dos sons que definiam a tua condição.  Era a tua mãe, ali naquele espaço, tão perdida mas tão certa que ser mãe era mais que dar alimento, mais que correr para chegar a tempo de te dar banho...Uma mãe "a caminho"...

Hoje sei que, enquanto mãe, continuo a percorrer um caminho incompleto, desconhecido, sem destino ou tempo marcado...que se pode alterar e reescrever...que se pode aperfeiçoar... Hoje voltaria a escolher o mesmo caminho...fá-lo-ia as vezes sem conta. 

151 dias de ti baby C.
151 dias de nós...


9 comentários:

  1. e eu.. a privilegiada madrinha!!!!! o meu coração está 151 dias mais rico!! :) Que doçura de princesa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A melhor madrinha do mundo! :)

      Eliminar
  2. Conhecer-lhe a nuca
    Já não é coisa pouca

    sobretudo se somada a essa vaidade de ser mãe
    (orgulho? vaidade?, não sei bem...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma soma singular com certeza.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    4. Uma soma singular com certeza.

      Eliminar