Naveguem por este mundo sem validade!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Sem que eu pedisse ou deixasse

Veio e pousou sobre mim. Sorriu enquanto esfaqueava o meu sonho. Sadismo puro em moléculas de oxigénio. Inalei sem reservas ou máscaras. O que havia eu de temer? 
Lado a lado, presa ao remorso, caminho descalça na esperança que o terreno seja liso e sem pedras. Não tenho sorte. Tenho o destino deste dia calcificado e sem liberdade de movimentos. Tenho os pensamentos em camisas de força. 
Veio e pousou sobre mim sem que eu pedisse ou deixasse.
E agora venho para aqui um bocadinho.


6 comentários:

  1. Pedir ou deixar
    são da mesma família

    Insurge-te
    e vais ver que parte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi o que fiz. Abraço Rogério.

      Eliminar
  2. Amanhã é um novo dia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É disso que tenho de me lembrar sempre que passo por horas destas. Abraço!

      Eliminar
  3. Respostas
    1. A minha cabeça às vezes é tramada.

      Eliminar