Naveguem por este mundo sem validade!

terça-feira, 15 de março de 2016

Como é a tua relação com o medo?

Há uns tempos, uma amiga minha contou-me que a sua filha só tinha perdido o medo de que algo, mau e misterioso, estivesse guardado dentro do armário do seu quarto, quando a mãe deixou de abrir a porta para lhe mostrar que nada existia lá dentro. Explicava-me ela que, ao abrir a porta, era como se estivesse a dizer que o seu medo não era, de todo, infundado. Ou seja, apenas o confirmava. O problema deixou logo de existir e as noites passaram a ser tranquilas na vida daquela criança. Afinal, a solução era simples.
 Foi preciso apenas mudar de perspetiva.
O medo. 
Se há palavra que me amedronta é esta. Eu tenho medo de ter medo. Sei que, se deixarmos, o medo pode até congelar-nos os movimentos, o pensamento e a razão.
Ter medo é deixar de viver. Mas às vezes é tão difícil! Quem é a mãe ou pai que nunca teve medo pelo seu filho? Que nunca incorporou as suas angústias como das suas próprias se tratasse?
É tão fácil viver com medo, que o estranho poderá ser mesmo nunca senti-lo! O nosso instinto leva-nos a reagir e a viver em estado de alerta sempre que nos sentimos ameaçados. É biológico, não temos a culpa, fomos determinados para sobreviver. E não é isso que fazemos todos os dias?
Mesmo que seja doloroso, os nossos filhos nem sempre aprendem em linha reta! 
No caminho encontram pedras, degraus, sujam-se, fazem nódoas negras, arranham-se, caiem, trazem marcas de guerra da escola, choram, exibem galos que cantam pela meia-noite, angustiam-se, têm medo, têm medos. Faz parte do crescimento e desenvolvimento da criança, e ter medo por eles não ajuda. Ter medo que algo lhes aconteça só traz angústia e sofrimento por antecipação. 
Então, de que estamos à espera? De que estou eu à espera?

"Mude de perspetiva". 
Sim, vou tentar mudar.

6 comentários:

  1. Eu tenho medo...por elas, pelo meu marido, pelos meus pais. No entanto, o medo não me paralisa, porque a coragem e a necessidade de viver são mais fortes.

    ResponderEliminar
  2. Uma vez, há já uns anos, olhei para trás na minha história e constatei que as coisas que temi sem aparente razão, os medos vários que fui tendo, não se tinham revelado com fundamento, não "se concretizaram". Outras coisas ruins aconteceram, é verdade, mas não aquelas de que eu tinha medo. Então decidi que ter medos (desses, como descreves aqui) é uma perda de tempo, porque depois, na maioria das vezes, como constatei, nem sequer "se realizam" (e ainda bem). Olha, resultou. Deixei de ter uma data dos medos que tinha (embora, claro, alguns sempre ficam). E as minhas filhas já chegaram a cinco ou dez centímetros acima de mim e tudo tem corrido bem. :-)
    Um beijinho, Mamã Iogurte. (de mãe para mãe)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Susana! De mãe para mãe!

      Eliminar
  3. Grande verdade. Secalhar temos todos de passar a deixar as nossas "portas de armário" pessoais fechadas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem só as crianças têm medos desses. Infelizmente.

      Eliminar